Um pouco sobre gagueira

Dia 22 de outubro é o Dia Internacional de Atenção à Gagueira. Desde 2005,gagueira

é exibida uma campanha de alcance nacional sobre gagueira. Buscando reforçar que gagueira não é motivo de piada e que existe tratamento, orienta

aqueles que sofrem do problema a buscarem um fonoaudiólogo. O vídeo pode ser visto aqui: http://www.gagueira.org.br/conteudo.asp?id_conteudo=264

A gagueira deixa muitas pessoas numa relação de sofrimento com a própria fala. É por isso que, para discutir um pouco mais sobre esse tema aqui no site, sugiro a leitura do seguinte texto da Psicanalista Roberta Ecleide de Oliveira Gomes Kelly: “Fluir ou Disfluir: eis a questão! Uma discussão sobre a gagueira e a psicanálise”. Para ler, acesse http://www.proceedings.scielo.br/scielo.php?pid=MSC0000000032002000400021&script=sci_arttext

É importante destacar que, na clínica psicanalítica, o terapeuta não terá como foco de seu trabalho um sintoma (no caso, o sintoma,o “gaguejar”). Esse é o diferencial entre as clínicas psicanalítica e fonoaudiológica quando se fala em gagueira: o fonoaudiólogo tem uma responsabilidade com a fala de um paciente e, portanto, com um sintoma na fala dele. No entanto, abrir um diálogo com a Psicanálise torna possível vislumbrar outros aspectos relacionados à gagueira, para além de discussões sobre etiologia, sintomatologia, avaliação e tratamento. Após fazer um breve histórico sobre a gagueira e seus tratamentos, a autora falará como a psicanálise contribuiu e vem contribuindo para entender esse “distúrbio de fluência”. É possível que o texto seja difícil de ler para quem não é familiar com a psicanálise, mas gostaria de destacar alguns aspectos interessantes.

O primeiro deles relaciona-se com o compromisso de seu trabalho: a autora não foca na etiologia da gagueira – como se houvesse uma causa única -, na avaliação ou terapêutica desse distúrbio de fluência. O seu trabalho assume um compromisso com o “sujeito gago”. Ademais, deixa claro que não há uma terapêutica específica para a lidar com a gagueira. Recomendações a pais de crianças gagas, com orientações e sugestões para melhorar a comunicação não são a chave para a cura. E não há chave. Mas há a possibilidade de escuta. Escuta do sujeito gago ou dos pais de uma criança gaga.

Acredito que essas são as maiores contribuições do texto para pensar na clínica fonoaudiológica: não basta atuar de maneira a buscar uma retirada de sintoma, eliminar a gagueira. Mais do que um sintoma, há um sujeito em sofrimento, busca de escuta.

Imagem: http://gaguezfluencia.blogspot.com.br/p/consequencias.html

Por: Ana Carolina Prisco

A fonoaudióloga da  Clínica Sphera esta a disposição para atendê-los e esclarecer qualquer dúvida

Unidada I: Rua: Soldado João de Oliveira, 326, Pirituba, São Paulo- SP.

( 11)  2367 – 6051 , (11)  2367 – 6584

Unidade II: Rua: dos Alpes, 603, Curuça, Santo André, SP.

(11)  4509 – 4460,  (11) 4509- 4460

Aula experimental gratuíta

www.clinicasphera.com.br

 

Compartilhar/Favoritos

GRIPE SUÍNA 5

A Organização Mundial da Saúde (OMS) se mostrou preocupada nesta sexta-feira com a confirmação de um surto da gripe suína nos Estados Unidos e no México que já pode ter deixado 60 mortos.

A agência das Nações Unidas disse que ativou seu Centro de Operações de Estratégia de Saúde — que comanda e controla agudos episódios de saúde pública –, mas não disse se considera expedir um alerta de viagem para a região.

Autoridades da saúde pública dos EUA disseram na quinta-feira que sete pessoas foram diagnosticadas com um novo tipo de gripe suína na Califórnia e no Texas, enquanto o ministro da Saúde do México confirmou nesta sexta-feira que dezenas de mortes registradas nas últimas semanas foram provocadas também pela gripe suína.

influenza, gripe suina
influenza, gripe suina

“Esse é um vírus que agia nos porcos e que em algum momento foi transmitido a humanos”, disse o ministro José Angel Cordova à rede de tevê Televisa.

Um porta-voz da OMS em Genebra disse à Reuters que a organização está “diariamente em contato com as autoridades dos EUA, Canadá e México”.

O Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos disse que o vírus era uma mistura nunca antes vista de uma típica virose entre porcos, aves e humanos. Todos os sete pacientes norte-americanos se recuperaram.

A porta-voz da OMS Fadela Chaib disse que as autoridades mexicanas perceberam uma ocorrência de gripe incomum no fim de março e abril.

“Houve 800 casos suspeitos de gripe, com 57 mortos na região da Cidade do México”, afirmou.

“Casos semelhantes tem sido descobertos em San Luis Potosí, na região central do México. O número de casos suspeitos é de 24 e 3 mortes”, disse ela a jornalistas.

As aulas de milhares de crianças mexicanas foram canceladas nesta sexta-feira, após a gripe ter matado cerca de 20 pessoas nos últimos dias.

Fonte:http://noticias.br.msn.com/artigo.aspx?cp-documentid=19380130

GRIPE SUÍNA 1

Um novo surto de gripe a infectar humanos no México e nos Estados Unidos pode ter matado até 60 pessoas no território mexicano, disseram nesta sexta- feira autoridades médicas internacionais.

O Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC, na sigla em inglês) analisou amostras do vírus H1N1 de alguns pacientes norte-americanos, que já se recuperaram, e disse se tratar de uma mistura jamais vista entre vírus que atacam suínos, aves e humanos.

Veja abaixo alguns fatos do CDC sobre como a gripe suína se espalha entre humanos:

* O vírus da gripe suína tipicamente afeta porcos, não humanos. A maioria dos casos ocorre quando pessoas têm contato com porcos infectados ou objetos contaminados circulando entre pessoas e porcos.

* Porcos podem ser infectados por gripes humanas ou aviárias. Quando um vírus da gripe de diferentes espécies infecta porcos, eles podem se misturar dentro do animal e novos vírus mutantes podem ser criados.

* Porcos podem repassar vírus mutantes de volta para humanos e eles podem ser transmitidos de humanos para humanos. A transmissão entre humanos é mais difícil do que em uma gripe convencional.

* Os sintomas da gripe suína em humanos são similares àqueles da gripe convencional — febre repentina, tosse, dores musculares e cansaço extremo. Este novo surto, aparentemente, também causa mais diarreia e vômitos que a gripe convencional.

* Vacinas estão disponíveis aos porcos para a prevenção da gripe suína. Não há vacina para humanos, embora o CDC esteja formulando uma. A vacina contra a gripe convencional pode ajudar a prover proteção parcial contra o vírus suíno H3N2, mas não contra o H1N1, como o que está circulando agora.

* Não há contaminação pelo consumo de carne ou produtos suínos. Cozinhar a carne de porco a 71 graus Celsius mata o vírus da gripe suína, assim como outros vírus e bactérias.

FONTE:http://br.reuters.com/article/worldNews/idBRSPE53N0ML20090424

Doenças Pulmonares x Mortalidade

Doença pulmonar mata aproximadamente 85 brasileiros por dia

Durante os cinco dias do Congresso Brasileiro de Pneumologia e Tisiologia, realizado entre os dias 21 e 25 de novembro, provavelmente 425 brasileiros morreram vítimas de doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC). Esse índice corresponde à média diária de 85 óbitos no Brasil por causa de asma grave, enfisema pulmonar e bronquite crônica.

A DPOC é a nova nomenclatura para classificar a bronquite crônica e o enfisema pulmonar. Segundo o Consenso Brasileiro de DPOC, discutido durante o congresso, a doença afeta cerca de 5,5 milhões de pessoas no país. E dados da Organização Mundial de Saúde revelam que ela atinge cerca de 300 milhões de pessoas em todo o mundo – uma morte a cada 11 segundos -, o que a posiciona como uma das principais causas de mortes.

Fumantes e ex-fumantes, principalmente acima dos 40 anos, representam 90% dos pacientes. E, por seu caráter progressivo, a doença pulmonar pode se manifestar mesmo em quem já abandonou o cigarro. Além do tabagismo, outras causas comuns são: exposição à poluição, poeira, combustíveis domiciliares (carvão e lenha, por exemplo), além de características genéticas.

A lesão pulmonar causada pela condição é irreversível e pode trazer dificuldades para o paciente, até mesmo para a realização de tarefas rotineiras como tomar banho, subir e descer escadas, caminhar, conversar, alimentar-se ou vestir-se. Porém, com diagnóstico precoce e tratamento adequado, é possível controlar os sintomas e proporcionar ao paciente uma vida normal.

De acordo com o presidente da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia, a DPOC é uma doença silenciosa durante muitos anos. “Os pulmões têm uma grande reserva funcional, de modo que a falta de ar só começa a aparecer quando o indivíduo já perdeu 40% a 50% de sua capacidade pulmonar. Vem daí a importância do teste de função pulmonar. A doença detectada mais precocemente pode ser mais facilmente tratada e pode-se interromper sua progressão”, explica.

O primeiro passo é eliminar ou reduzir a contínua irritação pulmonar. Existem hoje tratamentos farmacológicos capazes de ajudar a tratar a DPOC e a controlar os principais sintomas, além de terapias complementares, como o programa de exercícios de reabilitação pulmonar e a oxigenoterapia, que ajudam a diminuir os sintomas da doença, tornando o dia-a-dia mais fácil, e a prevenir complicações dos pacientes em estado grave.

fonte:http://www.opantaneiro.com.br/noticias/online.asp?id=78710

Alergias do Verão

Especialistas alertam sobre alergias de verão

Dias quentes e roupas leves caracterizam a estação mais esperada do ano: o verão. Para aproveitar os próximos meses de sol, alguns cuidados especialmente em casa podem minimizar os sintomas de alergia e irritação, principalmente aos mais sensíveis a essas situações, como os asmáticos.

Um grande aliado no combate às alergias é o próprio sol. Para evitar o nariz escorrendo e os olhos irritados, além de possíveis crises de asma, o verão é a época certa para tirar cobertores, tapetes e casacos de dentro do armário e arejá-los. Lavar e deixá-los ao sol evita a proliferação de ácaros, grandes vilões da saúde respiratória.

A limpeza é outra poderosa ferramenta das pessoas com dificuldades respiratórias como a asma, afirma a pneumologista.

“O controle ambiental envolve ações simples e está principalmente focado no quarto do paciente alérgico, onde a limpeza deve ser feita diariamente. São importantes medidas limpar a casa com um pano úmido, sem utilizar desinfetantes ou outros produtos com cheiro forte; deixar os cobertores e roupas tomando sol, e se possível substituir cobertores por edredons, que são mais fáceis de lavar; usar capas protetoras para travesseiros e colchões; guardar bichinhos de pelúcia em sacos plásticos transparentes, mesmo que fiquem expostos nas estantes, trocando os plásticos a cada dois meses aproximadamente; e evitar carpetes”.

Outras dicas interessantes são trocar as cortinas por persianas, mais fácies de lavar, e evitar animais domésticos dentro de casa, especialmente nos quartos, pois as substâncias alergênicas dos gatos são bastante persistentes e podem permanecer no ambiente até seis meses após a retirada do animal.
“A casa inteira deve estar bem limpa e arejada, especialmente o quarto de dormir, afinal, é o lugar onde passamos grande parte do tempo. Os colchões devem ser tirados e batidos para retirar a poeira, pois é um dos locais com maiores concentrações de ácaros”, afirma a pneumologista.

Fonte: http://www.oserrano.com.br/mais.asp?tipo=Local&id=7838