GRIPE SUÍNA 5

A Organização Mundial da Saúde (OMS) se mostrou preocupada nesta sexta-feira com a confirmação de um surto da gripe suína nos Estados Unidos e no México que já pode ter deixado 60 mortos.

A agência das Nações Unidas disse que ativou seu Centro de Operações de Estratégia de Saúde — que comanda e controla agudos episódios de saúde pública –, mas não disse se considera expedir um alerta de viagem para a região.

Autoridades da saúde pública dos EUA disseram na quinta-feira que sete pessoas foram diagnosticadas com um novo tipo de gripe suína na Califórnia e no Texas, enquanto o ministro da Saúde do México confirmou nesta sexta-feira que dezenas de mortes registradas nas últimas semanas foram provocadas também pela gripe suína.

influenza, gripe suina
influenza, gripe suina

“Esse é um vírus que agia nos porcos e que em algum momento foi transmitido a humanos”, disse o ministro José Angel Cordova à rede de tevê Televisa.

Um porta-voz da OMS em Genebra disse à Reuters que a organização está “diariamente em contato com as autoridades dos EUA, Canadá e México”.

O Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos disse que o vírus era uma mistura nunca antes vista de uma típica virose entre porcos, aves e humanos. Todos os sete pacientes norte-americanos se recuperaram.

A porta-voz da OMS Fadela Chaib disse que as autoridades mexicanas perceberam uma ocorrência de gripe incomum no fim de março e abril.

“Houve 800 casos suspeitos de gripe, com 57 mortos na região da Cidade do México”, afirmou.

“Casos semelhantes tem sido descobertos em San Luis Potosí, na região central do México. O número de casos suspeitos é de 24 e 3 mortes”, disse ela a jornalistas.

As aulas de milhares de crianças mexicanas foram canceladas nesta sexta-feira, após a gripe ter matado cerca de 20 pessoas nos últimos dias.

Fonte:http://noticias.br.msn.com/artigo.aspx?cp-documentid=19380130

Compartilhar/Favoritos

GRIPE SUÍNA 3

Tire suas dúvidas sobre a gripe suína

Especialistas estão examinando relatos de mortes causadas por um surto de gripe suína no México. Entenda o que é a doença e quais seus riscos.

O que é a gripe suína?

Uma doença respiratória que atinge porcos causada pelo vírus influenza tipo A, que tem diversas variantes. Algumas das mais conhecidas são a H1N1, a H2N2 e a H3N2.

Surtos da enfermidade são comuns, mas raramente causam mortes nos animais.

A gripe tende a se propagar mais durante o outono e o inverno, mas são registrados casos durante o ano inteiro.

Existem vários tipos de gripe suína e, assim como acontece no caso da gripe humana, o vírus causador da doença se modifica constantemente.

Os humanos podem contrair a gripe suína?

Normalmente não, mas no passado foram registrados casos em pessoas que tiveram contato próximo com porcos.

Mais raros ainda são os casos documentados de contágio de pessoa para pessoa.

A contaminação ocorre da mesma forma que a gripe comum, por meio de perdigotos lançados na tosse e espirros.

Esta doença no México é um novo tipo de gripe suína?

A Organização Mundial de Saúde (OMS) confirmou que alguns dos casos registrados são formas não conhecidas da variedade H1N1do vírus Influenza A.

Ele é geneticamente diferente do vírus H1N1 que vem atacando humanos nos últimos anos e contém DNA associado aos vírus que causam as gripes aviária, suína e humana, incluindo elementos de viroses europeias e asiáticas.

O quanto as pessoas devem se preocupar?

A OMS afirma que ainda é muito cedo para lidar com a situação como se ela fosse o início de uma pandemia.

Entretanto, o risco existe e a evolução dos casos está sendo acompanhada de perto por especialistas.

Fonte:http://www.bbc.co.uk/portuguese/ciencia/2009/04/090424_gripesuina_entenda_rc.shtml

Fisioterapia

Dores nas costas? Como a fisioterapia pode ajudar você.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) todas as pessoas em algum momento de suas vidas, sofrerão de dores nas costas em diferentes graus, ou seja, umas mais intensamente e outras nem tanto. A origem destas dores têm diversos motivos, dentre os principais: má postura, desgaste de uma articulação, movimentos bruscos, inflamações, carregar peso em excesso, obesidade, falta ou excesso de atividade física, atitudes repetitivas entre outros tantos que, se não tratados de maneira adequada, podem agravar ainda mais a situação.

O tratamento destas dores consiste, primeiramente, em uma consulta a um profissional especializado, médico ou fisioterapeuta que realizarão testes, e solicitarão exames para detectar a causa, o grau de acometimento e a localização exata da dor. Em seguida irão estabelecer um programa de reabilitação adequado a cada pessoa visando a diminuição da dor e o aumento da flexibilidade e da força dos músculos responsáveis pela manutenção da boa postura.

A fisioterapia age como coadjuvante no tratamento dessas dores, inclusive com foco na prevenção. Alongamento e fortalecimento da musculatura responsável pelo sustento da coluna, realinhando assim as estruturas que podem estar comprometidas, diminuindo aquela sensação de “queimação” e “pinçada”.

Além disso, a fisioterapia leva a uma reeducação da postura, sendo que o fisioterapeuta ensina ao paciente exercícios e alongamentos de fácil execução – que podem ser realizados em casa pelo próprio paciente – e ainda dá sugestões importantes quanto a execução adequada das atividades diárias como melhores posturas para trabalhar, sentar, carregar peso, dormir e até a maneira ideal para se exercitar.

As dores nas costas são um problema comum entre as pessoas. Solucioná-la ou amenizá-la requer persistência e disciplina de quem sofre com ela e, depende também, de uma boa orientação dos profissionais da saúde.

Conjuntivite

O maior desafio da saúde pública é prevenir doenças que afastam a população das atividades diárias. Estimativa da OMS (Organização Mundial da Saúde) aponta que as doenças das vias respiratórias – gripe, resfriado, rinite, sinusite, bronquite e asma – chegam a triplicar no período do inverno.

 O maior problema no frio são as aglomerações em ambientes pouco arejados que facilitam a proliferação de vírus. Além disso, a baixa umidade do ar reduz as defesas do organismo e resseca todas as mucosas, inclusive a lágrima que tem a função de proteger a superfície ocular.

Conjuntivite é a inflamação da conjuntiva, membrana transparente e fina que reveste a parte da frente do globo ocular e o interior das pálpebras. O branco do olho (esclera) é coberto por uma película fina chamada conjuntiva, que produz muco para cobrir e lubrificar o olho. Normalmente, possui pequenos vasos sangüíneos em seu interior, que podem ser vistos através de uma observação mais rigorosa. Quando a conjuntiva se irrita ou inflama, os vasos sangüíneos que a abastecem alargam-se e tornam-se muito mais proeminentes, causando então a vermelhidão do olho.

Os sintomas são: pálpebras inchadas, vermelhidão, coceira, ardência, sensação de areia nos olhos, lacrimejamento, secreção transparente e fotofobia (aversão à luz). Por ser altamente contagiosa, observa, é um importante fator de afastamento do trabalho que pode durar de três a quatro semanas.

Nas  empresas os maiores veículos de contaminação são os teclados de computador, mouse e interruptores de luz. Os especialistas também chama a atenção para os carrinhos de supermercado e balcões do varejo. Engana-se quem pensa que passar álcool nos objetos elimina vírus. A dica para evitar o contágio é lavar as mãos com freqüência, principalmente depois de usar objetos que foram manuseados por outras pessoas e ingerir bastante água para manter a hidratação.

Para Previvinir o contágio tome as seguintes precauções.
·Evite aglomerações ou freqüentar piscinas de academias ou clubes;
·Lave com freqüência o rosto e as mãos uma vez que estas são veículos importantes para a transmissão de microorganismos patogênicos;
·Não coce os olhos;
·Aumente a freqüência com que troca as toalhas do banheiro ou use toalhas de papel para enxugar o rosto e as mãos;
·Troque as fronhas dos travesseiros diariamente enquanto perdurar a crise;
·Não compartilhe o uso de esponjas, rímel, delineadores ou de qualquer outro produto de beleza.

Tratamento
Lave os olhos e faça compressas com água gelada, que deve ser filtrada e fervida, ou com soro fisiológico. Para a conjuntivite viral não existem medicamentos específicos. Cuidados especiais com a higiene ajudam a controlar o contágio e a evolução da doença.
Acima de tudo, não se automedique. A indicação de qualquer remédio só pode ser feita por um médico. Alguns colírios são altamente contra-indicados porque podem provocar sérias complicações e agravar o quadro.