Tenossinovite Estenosante – Dedo em Gatilho

http://3pointproducts.web3.hubspot.com/Portals/30688/images//TriggerFingerlabel.jpg

A Tenossinovite Estenosante, mais conhecido como dedo em gatilho é uma doença frequente e ocorre devido a um processo inflamatório crônico dos tendões flexores na região base dos dedos.

Os  tendões são como longas cordas que conectam os músculos do antebraço aos ossos da mão. Nos dedos, os tendões passam por dentro de uma série de polias, que são como ligamentos que juntos formam túneis. As polias têm a função de segurar os tendões perto do osso, aumentando a força nos dedos e diminuindo o gasto de energia. Quando o dedo se move, isso ocorre porque o músculo se contrai e o tendão desliza. O dedo em gatilho ocorre quando as polias da base do dedo se tornam espessadas o suficiente para apertar o tendão e impedir o seu deslizamento. A compressão do tendão pelas polias faz com que se desenvolva um nódulo, que tranca nas polias, causando o bloqueio do dedo. O bloqueio do dedo em gatilho é doloroso para o paciente. Quando mais o dedo engatilha, mais inflamado os tecidos locais ficam, aumentando o edema, dificultando o deslizamento e entrando num círculo vicioso.

Inicialmente o dedo acometido pode apresentar aumento de volume, limitações de movimento, dor no trajeto dos tendões flexores. Pode haver ainda um nódulo palpável na região da base do dedo acometido.  Os dedos mais acometidos são os polegares, dedos médios e anular. Pode ainda haver o comprometimento de mais de um dedo e ambas as mãos envolvidas na afecção.

Não existe uma causa única e na grande maioria dos pacientes não se descobre algo específico. Movimentos repetitivos, como digitar no computador, agarrar, apertar ou torcer objetos, ou até escrever em demasia, não são comprovadamente causadores de tenossinovite. O que se observa é a piora da dor em pessoas que já apresentam a doença. Ela também pode estar relacionada com alguma outra doença como artrite reumatóide, gota ou reumatismo, por exemplo.

O tratamento para a tenossinovite consiste em  medicamentos antiinflamatórios e corticosteóides, e nas sessões de fisioterapia, onde deve-se utilizar recursos analgésicos, antiinflamatórios e posteriormente fortalecimento muscular. Repouso da articulação é fundamental evitando ao máximo o seu uso nas atividades diárias. A cirurgia é indicada em alguns casos, mas nem sempre representa a cura embora possa trazer algum alívio.

Fonte:  http://www.tuasaude.com/tenossinovite/

  CLÍNICA SPHERA
http://www.clinicasphera.com.br

Unidade São Paulo
Rua Soldado João de Oliveira nº 326 – PIRITUBA, SÃO PAULO-SP

Unidade Santo André
Rua Dos Alpes nº 603 – Santo André – SP

Central de Atendimento (11) 4509 – 4450,  (11) 4509- 4460

Compartilhar/Favoritos

Orientações para pacientes em pós-operatório de ligamento cruzado anterior

http://www.proximus.com.br/news/sites/default/files/imagepicker/5/treinamento1_agosto_2010.jpg

O pós-operatório de ligamento cruzado anterior requer algumas prioridades como: alívio da dor, proteção da articulação e ganho de movimento do joelho. Com a finalidade de obter resultado mais rápidos, listamos algumas atividades que o paciente poderá realizar:

  • Aplicação de Gelo: o paciente deve realizar a aplicação de gelo, se possível 3x ao dia. Em caso de inchaço constante (edema), a aplicação deve ser feita de 4 em 4 horas até a resolução do mesmo. Esta aplicação deve ser realizada com o paciente de preferência deitado, com o joelho acima do nível do coração para ajudar a diminuir o inchaço. A duração da aplicação deve ser de 20 min. e não deve exceder esse tempo.
  • Massagem Cicatricial: consiste em uma massagem (com um pouco de óleo ou creme) com movimentos circulares realizada com o indicador e o dedo médio de cada mão, realizando com uma mão um círculo no sentido horário e com a outra no sentido anti-horário. Ela evita que a cicatriz fique aderida. É comum ao realizar o movimento, o paciente sinta dor no local ou próximo ao local do corte da cirurgia.
  • Uso de Muletas: A muleta deve ser usada nas primeiras 2 a 3 semanas e sua retirada deve ser  avaliada pelos profissionais da área da saúde de acordo com a dificuldade para andar e realização das atividades cotidianas. A muleta deve ser usada no lado contrário ao lado lesado. O uso correto é muito importante nessa fase inicial de recuperação, pois evita esforços nos tecidos que ainda estão se recuperando do processo cirúrgico.
  • Ganho de Movimento (amplitude): pode ser realizado com o paciente sentado em uma cadeira, com o pé da perna operada em cima da bola, realizando o movimento de deslizamento para frente e para trás fazendo com que o joelho dobre (flexão) e estique (extensão). Este exercício é denominado pela fisioterapia de mobilização ativa, pois a própria pessoa realiza o movimento.
  • Exercícios Isométricos para Quadríceps: Estes exercícios são realizados para aumentar a qualidade da contração muscular. O quadríceps porque é a musculatura frontal da coxa.

Exercício 1: Paciente deitado de barriga para cima com uma perna esticada e a outra dobrada. O paciente vai elevar a perna esticada numa altura que não ultrapasse o joelho dobrado e vai segurar contando até dez (10 segundos) e relaxar a perna.
Repetir 4 séries de 10 repetições cada com intervalo de 20 seg. entre cada repetição e intervalo de 1 min. entre cada série.

Exercício 2: Paciente sentado em uma cadeira vai esticar o joelho  até onde conseguir sem dor e vai segurar contando até dez (10 segundos) ou o tempo que conseguir inferior a 10 segundos.
Repetir 4 séries de 10 repetições cada com intervalo de 20 seg. entre cada repetição e intervalo de 1 min. entre cada série.

É importante lembrar que estes exercícios devem ser realizados intercalado com sessões de fisioterapia.

 Fonte:http://fisioterapiamazonas.blogspot.com.br/2009/05/pos-operatorio-de-ligamento-cruzado.html

 

Clínica Sphera
www.clinicasphera.com.br

Unidade São Paulo
Rua: Soldado João de Oliveira, 326, Pirituba, São Paulo- SP.

Unidade Santo André
Rua: dos Alpes, 603, Curuça, Santo André, SP.

Central de Atendimento: (11)  4509 – 4460,  (11) 4509- 4460

 

 

Drenagem Linfática

A drenagem linfática é um método de massagem corporal especificamente desenvolvido para auxiliar no funcionamento de nosso sistema linfático. Foi inventado por um fisioterapeuta dinamarquês, Edil Vodder, na década de 30 do século XX. Após publicar suas descobertas em uma revista da época, o método começou a ser aplicado em outras regiões da Europa e, mais tarde, no mundo inteiro. Sua técnica mostrou-se de grande ajuda no tratamento de vários tipos de inchaços (edemas) internos e externos, causados por doenças, acidentes ou cirurgias.

Drenagem- É uma técnica de massagem que estimula o sistema linfático a trabalhar em um ritmo mais acelerado, mobilizando a linfa até os gânglios linfáticos. Por esse processo são eliminados o excesso de líquido e as toxinas. A drenagem linfática pode ser feita de forma manual ou mecânica

A finalidade da drenagem é coletar os líquidos presos entre as células, colocá-los nos vasos capilares e, por meio de variados movimentos suaves, fazê-los caminhar para que sejam eliminados. Por isso mesmo, a massagem deve ser rítmica, sem muita pressão, a linfa se localiza na superfície da pele seu fluxo é lento, ele não suporta grandes pressões. Não há a necessidade de manobras que provoquem dor, desconforto ou hematomas. O surgimento de hematomas indica que o estímulo foi muito agressivo e houve rompimento dos vasos e capilares venosos (isto não deve ocorrer). A idéia é que ela seja relaxante, causando bem-estar.

A drenagem linfática manual é recomendadapré e pós cirurgias plásticas (acelerando a recuperação pós-operatória), relaxamento de clientes tensos, celulite, pós Mastectomias, pós Histerectomias evitando fibrose e possíveis edemas.

Podemos indicar Drenagem Linfática Manual em todos os casos que apresentarem circulação de retorno comprometida, tecido edematizado(inchado), pele irritada e sistema nervoso abalado.

Para ter acesso aos benefícios proporcionados pela drenagem linfática é imprescindível que o profissional contratado tenha conhecimentos técnicos, anatômicos e patológicos adequados. Lembre-se que existem contra-indicações para a aplicação da drenagem linfática, como por exemplo, tromboses venosas profundas, inflamações de veias, erisipela, câncer em atividade, insuficiência cardíaca, hipertensão, hipertireoidismo e asma grave, entre outros. Por isso, é importantíssimo contratar um profissional respeitado e sério, de preferência a partir da indicação de seu médico.

A drenagem linfática é aplicada em sessões. O número de sessões vai depender das indicações de cada caso. As sessões podem variar de preço conforme a cidade, experiência do profissional envolvido e tipo de atendimento. Os preços podem ir de R$50 a R$100. Lembre-se sempre de consultar seu médico, mesmo que esteja procurando a drenagem linfática para tratar de problemas estéticos. Proteja seu corpo e seu bolso.