Treino funcional na terceira idade

O envelhecimento é um fenômeno natural, e está habitualmente ligado a perda de força, queda da resistência, diminuição da coordenação e principalmente perda do domínio corporal. O conforto da vida moderna contribui com tudo isto,  sem contar a maturação física que, com o passar do tempo, impede que movimentos que antes eram corriqueiros passem a ser mais difíceis e menos explorados .

A boa notícia é que o treinamento funcional pode ser um verdadeiro parceiro dos idosos, pois visa desenvolver as qualidades físicas e movimentos básicos necessários no dia a dia como força, resistência, equilíbrio, os atos de sentar e levantar, andar, correr, carregar, empurrar, puxar, etc. Mais do que ajudar quem está na terceira idade a manter a forma, o treino funcional é saúde e contribui para que quem esteja nesta fase seja capaz de realizar as atividades físicas que sempre realizou.

Esta modalidade de treino diminui o risco de lesões, além de dar um preparo extra para o idoso subir escadas, se abaixar com facilidade, ou simplesmente jogar futebol com os amigos no final de semana. Desta forma, os praticantes de treinos funcionais se tornam capazes de manter suas rotinas tradicionais, desenvolvendo as atividades que sempre praticavam, mas com o chegar da idade sentiam dificuldade e, portanto, percebem grande melhora na sua qualidade de vida.

Fonte: http://fitnesstogether.com.br/blog/treino-funcional-na-terceira-idade/

SPHERA CLÍNICA DE FISIOTERAPIA

http://www.spherafisioterapia.com.br

SITUADA NA  RUA: SOLDADO JOÃO DE OLIVEIRA N 174 – SUBSOLO DA ACADEMIA ÁGUA VIDA. PIRITUBA, SÃO PAULO-SP

A SPHERA FISIOTERAPIA OFERECE ESTE TRATAMENTO COM DESCONTOS ESPECIAIS.

AGENDE O SEU HORÁRIO (11) 2367 6584/ (11) 2367 6051/(11) 8266 9878

Compartilhar/Favoritos

Dor nas costas – Tem solução

Se você nunca passou pela situação chatíssima de acordar com um terrível torcicolo no pescoço ou uma dor forte no final da coluna, daquelas que nos fazem “travar”, sinta-se um felizardo.

“Os quadros mais frequentes de dor das costas estão relacionados ao uso excessivo ou incorreto do corpo, à falta de atividade fìsica e de consistência corporal. Os métodos posturais, os alongamentos e os esportes são as melhores abordagens para prevenir o problema”. garante o ortopedista Ricardo Barrone (SP). Parte dos incomodos relacionados à coluna são a consequência direta de um problema ósseo, muscural ou neurológico mais sério. Mesmo nesses casos, o descuido com essa estrutura costuma ser o estopim que desencadeia a dor.

Entre um ossinho e outro da coluna ficam os discos que servem como amortecedores, e os ligamentos dão conta de unir as vértebras. A musculatura paravertebral dá sustentação à coluna , além de comandar os movimentos voluntários. Qualquer sensação desagradável, de incômodo, peso, queimação ou fisgada, em qualquer parte desse complexo mecanismo, é chamada de dor nas costas.

O popular “mau jeito” é passageiro. O repouso e o uso de um analgésico ou relaxantes muscular costuma ser o suficiente para fazer cessar a dor.

O tratamento envolve a aplicação de métodos posturais (o pilates, a reeducação postural global (RPG) e o isostrechting literalmente, contração e alongamento), prática que trabalha forte a musculatura que dá sustentação às costas, abdome e parte posterior das coxas.  Caminhada e práticas aquáticas também são indicadas.

“A atividade física tem efeito analgésico. O corpo em movimento libera endorfina na circulação, o que ajuda a relaxar e aumentar o bem-estar” diz Jomar Souza presidente da Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte (SBMEE). Alongamentos que equilibrem as diversas estruturas da coluna, aliados ao fortalecimento da musculatura e das articulações podem zerar o problema. Estes realizados corretamente, estimula a estrutura óssea, muscular e ainda lubrifica as articulações. Resultado: a postura melhora, tem-se maior consciência corporal e os abusos e as doenças sofrem sensível diminuição.

Selecionamos 10 exercícios que podem beneficiá-los no combate à dor e que é indicado para todas as idades e capacidades físicas. Confira no site: revistavivasaude.uol.com.br/saude-nutricao/107/artigo252377-1.asp

 

Fonte: www.revistavivasaude.com.br

  CLÍNICA SPHERA  
http://www.clinicasphera.com.br

Unidade São Paulo
Rua Soldado João de Oliveira nº 326 – PIRITUBA, SÃO PAULO-SP

Unidade Santo André
Rua Dos Alpes nº 603 – Santo André – SP

Central de Atendimento (11) 4509 – 4450,  (11) 4509- 4460


Ficar muito tempo sentado é tão perigoso quanto fumar ou comer comidas gordurosas

Ao contrário do que se pensa, sentar não relaxa. Posição pressiona os discos entre as vértebras, comprime vasos linfáticos e aumenta os índices de gordura.

Resultado: dores nas costas, inchaço, “barriga”, mais gordura na massa corporal, LER (lesão por esforço repetitivo) nas pernas e glúteos, maiores níveis de triglicerídeos e glicose no sangue. E não adianta nada malhar uma hora por dia se o resto do tempo a pessoa fica sentada.

O fato é registrado pela pesquisa australiana publicada no jornal Circulation.Mesmo aqueles que fazem exercícios regularmente, numa academia, por exemplo, mas que ficam sentados por horas, têm chances independentes de ter alguma doença. Mesmo excluindo tabagismo, gordura localizada e aqueles que praticam alguma atividade física, o estudo constatou que uma hora passada na frente da TV aumenta em 18% o risco de morte por problemas cardiovasculares.  Assim como os fumantes correm um risco 70% maior de apresentar doenças cardíacas, ter comportamentos sedentários aumentam as chances de problemas cardiovasculares.

Outra pesquisa, do Instituto Karolinska (Suécia) e divulgado no Bristish Journal Of Sports Medice, diz que uma das hipóteses que relacionam longos períodos de inatividade física a uma saúde mais breve é a ação de uma enzima que tem papel fundamental na regulação dos níveis de gordura no sangue e que ficaria alternada nos longos períodos sedentários, podendo levar a mudanças metabólicas, como o colesterol alto. Dizem os cientistas que por causa destas respostas fisiológicas, as mudanças no organismo após o excesso de ócio não são anuladas com o aumento do exercício físico. Por isso a prática de atividade física freqüente é extremamente necessária.

O corpo humano não foi desenhado para ficar sentado o tempo todo. O conjunto formado pelos ossos, músculos e articulações compõe o sistema músculo-esquelé tico, com três funções básicas: locomoção, sustentação e proteção. Músculos parados perdem elasticidade, flexibilidade, força e resistência. Além disso, o resto do corpo tem que fazer um esforço bem maior, o que leva a uma má postura e desequilíbrio muscular.

Este desequilíbrio acontece com quem trabalha oito horas em frente ao computador. Esta postura única impede a ativação da musculatura responsável por estabilizar a coluna, mantendo a musculatura posterior da coxa em posição encurtada levando às dores na lombar, ombros e joelhos. Outra conseqüência é o inchaço das penas devido a má circulação sanguínea dos membros inferiores. A dica é alongar as pernas durante o expediente. Nossa panturrilha, a famosa batata da perna, funciona como um segundo coração e a sua função é bombear o sangue pra cima. Um bom alongamento nesta região facilita a circulação e diminui o inchaço.

Mas a boa notícia é que fazer pequenas caminhadas dentro do escritório, atender o telefone na mesa da frente sem empurrar a cadeira de rodinhas, buscar um copo de água, ir ao banheiro, ou seja, se movimentar com freqüência, no mínimo a cada 50 minutos, pode ajudar e muito. A prática de atividade freqüente e comportamentos não sedentários reduzem significativamente as chances de problemas de saúde.

Fonte:Contato Comunicação & Marketing 12/2/2010

http://www.fitnessb rasil.com. br/novo_site/ news_detalhe. asp?Editoria= 5%20&Id=881

TEMPO CERTO PARA VOLTAR A GINÁSTICA APÓS CIRURGIA PLÁSTICA

Exercitar-se após uma cirurgia plástica ajuda a reduzir o inchaço e a gastar as calorias extras. No entanto, a volta às atividades físicas deve ser gradativa. Em média, começa após duas semanas, de forma leve (como caminhadas). Confira abaixo, segundo o livro Cirurgia Plástica – Manual do Paciente, do cirurgião plástico Alan Landecker, quando a intensidade pode aumentar depois de cada tipo de intervenção:

Face

Exercícios intensos (como ginástica aeróbica, corrida e ciclismo) tendem a ser liberados após um mês. Esportes de contato e tênis devem ficar fora da lista durante dois meses, o que evita traumas na região operada.

Pálpebras

Os esportes que não envolvem contato físico podem ser iniciados após três semanas. Os de contato ou com bolas precisam ser evitados por quatro a seis semanas.

Nariz

Nesse caso, as atividades físicas demoram mais a serem liberadas, já que o aumento de fluxo sanguíneo para a região da cabeça pode gerar sangramentos e retardar a reabsorção do inchaço. Pode-se começar a colocar o corpo em ação lentamente depois de três a quatro semanas. A recomendação é que esportes de contato e com bola sejam evitados por, ao menos, dois meses.

Otoplastia (orelha em abano)

As práticas intensas (como ginástica aeróbica, corrida e ciclismo) são liberadas após um mês.

Mamas

A bicicleta ergométrica passa a ser uma opção depois de três semanas, desde que o tórax e os braços fiquem imóveis. Qualquer exercício que utilize os braços de forma intensa (natação, levantamento de peso, corrida, tênis e outros esportes com bola) só pode ser praticado dois meses depois da cirurgia.

Lipoaspiração

Os esportes de maneira geral voltam à rotina do paciente depois de três a quatro semanas.

Cirurgia das coxas

Atividades que utilizem as pernas de forma vigorosa devem ser evitadas por dois meses. Portanto, nada de correr para a academia com o intuito de malhá-las, hein? Esportes que utilizam somente braços são liberados depois de três a quatro semanas.

A CLÍNICA DE FISIOTERAPIA E ESTÉTICA

RUA: SOLDADO JOÃO DE OLIVEIRA N 174 – SUBSOLO DA ACADEMIA ÁGUA VIDA. PIRITUBA, SÃO PAULO-SP

AGENDE O SEU HORÁRIO

(11) 2367 6584/ (11) 2367 6051

(11) 8266 9878/ (11) 6251 9878

Exercícios físicos contra o câncer

Ainda que nos últimos anos a prática de exercícios físicos tenha sido fundamentalmente associada ao padrão de estética vigente, sabe-se que os seus benefícios extrapolam a aparência. Diversas pesquisas apontam a melhora da saúde e relaciona o sedentarismo com o desenvolvimento de doenças, entre elas o câncer, reiterando assim, a prática esportiva como um reforço do sistema imunológico.

Estudo apresentado recentemente na conferência da Associação de Fronteiras de Pesquisa em Câncer nos Estados Unidos aponta que apenas 15 minutos diários de exercícios físicos foram suficientes para reduzir a taxa de mortalidade em pacientes com câncer de próstata. A pesquisa envolveu 2.686 pacientes, tanto antes como depois de terem sido diagnosticados com câncer, e não incluiu pessoas com diagnóstico de metástase.

O levantamento também mostra que a intensidade do exercício influencia no índice de mortalidade. Os homens que mantiveram três horas ou mais dos chamados exercícios metabólicos andar de bicicleta, nadar ou jogar tênis, por exemplo – por semana apresentaram risco 35% menor de mortalidade geral do que os demais.

Os pacientes que praticaram caminhadas mais de quatro horas por semana tiveram um risco 23% menor de mortalidade quando comparados com os que andaram menos de 20 minutos por semana. Já os que andaram mais de 90 minutos em um ritmo normal para acelerado apresentaram risco de morte 51% menor do que aqueles que andaram menos e em ritmo menos intenso.

Para a Associação Brasileira do Câncer (ABCâncer), estudos como esse ajudam a reforçar a simples receita de prevenção e combate ao câncer: praticar exercícios físicos, evitar o estresse e ter uma alimentação saudável e balanceada. De acordo com a Estimativa do Instituto Nacional de Câncer (INCA), são esperados 236.240 novos casos de câncer entre homens em 2010. O câncer de próstata será o segundo mais incidente com 52.350 casos, o que corresponde a um risco estimado de 54 novos casos a cada 100 mil homens.

Os números servem para alertar a população sobre o perigo da doença e mostram que podemos nos prevenir com atitudes simples. Sabemos que as pessoas sofrem com a falta de tempo para praticar atividades físicas no cotidiano atribulado das grandes cidades. No entanto, não há soluções prontas. As pessoas devem se conscientizar que todos nós corremos o risco de desenvolver o câncer e devemos mudar os hábitos de vida antes que seja tarde.

A mudança não deve ser radical, mas de acordo com o limite do corpo e de forma saudável. Importante é mudar e, mais importante, é ser coerente. A ABCâncer destaca o levantamento por ele ser o primeiro grande estudo populacional a examinar a relação dos exercícios com a mortalidade em sobreviventes de câncer de próstata e ajuda a reforçar a idéia de que exercício físico faz bem a saúde.


A CLÍNICA DE FISIOTERAPIA E ESTÉTICA

RUA: SOLDADO JOÃO DE OLIVEIRA N 174 – SUBSOLO DA ACADEMIA ÁGUA VIDA. PIRITUBA, SÃO PAULO-SP

AGENDE O SEU HORÁRIO

(11) 2367 6584/ (11) 2367 6051

(11) 8266 9878/ (11) 6251 9878


(Marília Casseb é diretora-executiva da Associação Brasileira do Câncer)